CAIXA DE BRINQUEDOS (TEATRO INFANTIL)


CAIXA DE BRINQUEDOS
De: Marcondys França
PERSONAGENS:
BONECA DE PANO
SOLDADO
URSO DE PELÚCIA
PALHAÇO
BALHARINA
DUENDE
BENTO (MENINO POBRE QUE NUNCA TEVE UM BRINQUEDO)
CARINA (MENINAS ESNOBE DONA DOS BRIQUEDOS)
VELHO ZIMBÁ (ARTESÃO QUE TEM UMA OFICINA QUE CONSERTA BRINQUEDOS)
CENA I
(NUM COMODO DA CASA HÁ UMA CAIXA CHEIA DE BRINQUEDOS QUEBRADOS E AO SEU REDOR OUTROS QUE COMO NUM PASSE DE MÁGICA GANHAM VIDA)
CARINA: - Pode entrar.
BENTO: - Então é aqui?
CARINA: - Sim. É aqui mesmo.
BENTO: - Nossa! Quantos brinquedos!
CARINA: - Não disse que era bastante!?
BENTO: - Tem certeza que quer mesmo jogá-los fora?
CARINA: - Claro. De que me servem esses brinquedos velhos?
BENTO: - Cada brinquedo desse deve ter uma história.
CARINA: - Que já passou. Agora estão velhos, não me servem mais.
BENTO: - Nunca tive um brinquedo.
CARINA: - Se quiser pode ficar pra você.
BENTO: - Não. São seus. Deveria amá-los.
CARINA: - São um bando de sucatas.
BENTO: - Se tivesse cuidado melhor...
CARINA: - Hei, você veio aqui pra me criticar?
BENTO: - Não. Me desculpe. Meu trabalho será recolher estes brinquedos.
CARINA: - Tá vendo aquela boneca? Foi minha preferida, era uma linda bailarina.
BENTO: - Só está um pouco descuidada.
CARINA: - Velha! Essa ali... É a Maricota, uma boneca de pano, presente da minha avó.
BENTO: - Não tem nenhum valor sentimental?
CARINA: - Impossível! Está velha e fede a mofo.
BENTO: - E esse soldado?
CARINA: - Foi do meu irmão...
BENTO: - É um bravo soldado.
CARINA: - Que nada! Só tá ocupando lugar.
BENTO: - Então você que jogar todos esses brinquedos fora?
CARINA: - Exatamente.
BENTO: - Então tá. Onde tem sacos?
CARINA: - Vem... Vou pegar pra você. (Saem)
CENA II
(Os brinquedos despertam)
BONECA: - E agora? Que vamos fazer?
SOLDADO: - Temos que criar um plano para escapar...
BALHARINA: - Mas como?
URSO: - Temos como sair deste quarto.
PALHAÇO: - Tem que haver um jeito.
BONECA: - Não podemos terminar assim.
BALHARINA: - Isso não é justo.
URSO: - É o fim de todos nós brinquedos.
PALHAÇO: - Nós brinquedos trazemos tantas alegrias para as crianças... E no final? Que fazem com agente? Nos joga fora.
SOLDADO: - Temos uma chance de não ir parar no lixo...
URSO: - Qual?
BALHARINA: - Que jeito?
BONECA: - Não temos chance.
SOLDADO: - Quem disse que não? Ele é só um garotinho...
URSO: - Mas é mais forte que agente.
SOLDADO: - Mas somos mais espertos que ele. (O Duende sai de dentro da caixa) Alto lá (Puxa a espada)
DUENDE: - Alto lá! Guarde sua espada bravo soldado. Não sou seu inimigo. Muito pelo contrário. Sou amigo e estamos no mesmo barco, ou melhor no mesmo quarto.
SOLDADO: - Então sabe o que pretende fazer conosco.
DUENDE: - Sei. Mas será que vocês perceberam que aquele menino tem um bom coração;
BONECA: - Mais vai fazer o que a nossa ex dona pediu.
DUENDE: - Não se agente o convencer do contrário.
URSO: - E como faremos isso?
PALHAÇO: - Mostrando a ele nossas qualidades.
DUENDE: - Tem razão... Só assim podemos convencê-lo a nos levar para oficina do velho Zimba.
BONECA: - E quem é esse velho Zimba?
DUENDE: - É um homem muito especial.
BALHARINA: - E porque esse velho Zimba é tão especial?
DUENDE: - Por que ele tem as mãos mágicas.
URSO: - Mãos mágicas?
PALHAÇO: - É um ilusionista?
DUENDE: - Não. É um grande artesão...
SOLDADO: - E o que faz de tão especial esse artesão?
DUENDE: - Conserta brinquedos.
BALHARINA: - Então... Ele poderá me dar uma saia nova?
BONECA: - Me costurar.
URSO: - Repor o olho que me falta...
SOLDADO: - Consertar minha perna... E eu deixarei de mancar.
PALHAÇO: - Repor meu nariz de palhaço! E assim devolver a minha alegria de viver...
DUENDE: - Exatamente. Só temos que conquistar a confiança do garoto. E assim, ele nos levará até o velho Zimba ao invés de nos jogar no lixo.
SOLDADO: - Ai vem gente! Rápido...  Voltem pro seus lugares. (Todos retornam)
CENA III
(Entra Bento com alguns sacos de lixo, acompanhado de Carina)
CARINA: - Então já sabe... Junte todos esses brinquedos nestes sacos.
BENTO: - Tem certeza que quer mesmo jogá-los fora?
CARINA: - Não tenho dúvida. Pra vou querer estes brinquedos velhos e inúteis?
BENTO: - Tantas crianças gostariam de ter brinquedos como estes.
CARINA: - Mas não dou. Quero jogá-los fora.
BENTO: - Por que não doar?
CARINA: - Por que não quero. Olha o caro de lixo passa as quatro horas. Acho bom se apressar.
BENTO: - Você não brinca mais com brinquedos?
CARINA: - Pra que? Que graça tem? Hoje brinco com meu celular, meu notebook, Xbox... Não preciso destes brinquedos velhos e sem graça. Bom, agora tenho que ir pra minha aula de inglês. Bye! (Sai)
BENTO: - Há! Que pena! Não sabe o que está perdendo... Olha quanto brinquedo legal... (Duende pisca para o garoto) Ah! (Se assusta) Hei, você piscou pra mim? (O palhaço dar um cambalhota, a bailarina dança) O que está acontecendo aqui?
BONECA: - Não se assuste.
BENTO: - Você... Esta falando!
URSO: - Precisamos da sua ajuda.
BENTO: - Não. Isso pode ser fruto da minha imaginação.
PALHAÇO: - Não é...
BENTO: - Só posso esta ficando maluco.
DUENDE: - Você é tão bom que consegue enxergar com os olhos do coração.
BENTO: - Não... Isso não está acontecendo.
BALHARINA: - Sim está.
BONECA: - Por favor nos ajude.
BENTO: - Mas como?
URSO: - Não nos jogando lixo.
BENTO: - Mas a sua dona não os que mais.
BALHARINA: - Não desse jeito. Se voltarmos a ser como erámos antes...
BONECA: - Não nos jogará fora.
BENTO: - Sinto muito... Não posso ajuda-los.
(A boneca e o soldado cantam. Música do trem da alegria: A boneca e o soldadinho)
BONECA: - Por favor... Nos ajude.
SOLDADO: - Só você pode nos ajudar.
DUENDE: - Basta que nos leve a oficina de brinquedos do velho Zimba.
BENTO: - Que é o velho Zimba?
DUENDE: - É um médico de brinquedos.
BENTO: - Médico de brinquedos?
PALHAÇO: - Dizem que com suas mãos mágicas restaura qualquer brinquedo.
BENTO: - Se podem falar comigo... Também podem falar com a Carina.
URSO: - Não. Seu coração já não é tão puro... Não conseguirá nos enxergar como somos...
PALHAÇO: - Apenas nos verá como um monte de brinquedos velhos e inúteis.
BENTO: - É uma pena...
BONECA: - Antes tinha imaginação. Hoje só enxerga a realidade. Ainda me lembro... Quando brincava comigo... E cantávamos assim... (Canta a música Emília a boneca gente)
BENTO: - Bravo! Além de cantar você dança muito bem.
BONECA: - Obrigada!
PALHAÇO: - E eu? Que a fazia sorrir... Com minhas cambalhotas engraçadas! (Música cambalhotas dos salte bancos)
BENTO: - Muito bom!
PALHAÇO: - Pena que me falta o nariz.
BENTO: - E você?
URSO: - Eu?
BENTO: - Que sabe fazer?
URSO: - Fui um companheiro inseparável. Sempre que precisava de uma companhia pra dormir... Lá estava eu.
DUENDE: - Vê? Você é a nossa única solução... Precisamos de você garoto.
BENTO: - Tá bom... Vou ajuda-los. Você tem o endereço desse senhor?
DUENDE: - Não... Mais não deve ser difícil de encontrar. Não deve ter muitos hospitais de brinquedo na cidade.
BENTO: - Vou tentar. Mas tenho que fazer a Carina acreditar que estou juntando todo esse brinquedo no saco...
URSO: - Claro! Tem razão.
PALHAÇO: - Vamos... Ajude-o.
BENTO: - Eu volto!
BONECA: - Ah! Ganhamos mais um amigo. (Cantam a música do balão mágico: Você e eu)
CENA IV
(Saem todos ficando apenas no palco a bailarina e o palhaço)
PALHAÇO: - Que foi? Não está feliz?
BALHARINA: - Já fui tão bonita...
PALHAÇO: - Você ainda é bonita.
BALHARINA: - Gentileza sua. Me lembro quando dançava para minha dona. Eu era linda bem vestida e graciosa.
PALHAÇO: - Linda e graciosa ainda é... Será que poderia dançar pra mim?
BALHARINA: - Eu? Dançar?
PALHAÇO: - Seria uma honra vê-la dançar. Por favor...
BALHARINA: - Sendo assim... Eu danço.
PALHAÇO: - Bravo!
(Toca uma música clássica e ela dança)
PALHAÇO: - Bravo! Demais! Maravilhoso.
BALHARINA: - Estou meio enferrujada.
PALHAÇO: - Imagina! Perfeita.
BALHARINA: - Vamos, estão nos esperando. (Saem)
CENA V
CARINA: - Já terminou?
BENTO: - Quase.
CARINA: - Quase?
BENTO: - É que são muitos brinquedos.
CARINA: - Então que está fazendo aqui?
BENTO: - É que eu preciso dar uma saída.
CARINA: - Você vai sair?
BENTO: - É rapidinho... Volto logo.
CARINA: - Acho bom.
BENTO: - Vou num pé é volto noutro! (Sai)
CARINA: - Só o que me faltava... (Sai)
CENA VI

SOLDADO: - Poderíamos amarrar a Carina...
DUENDE: - Não bravo soldado. Não esqueça que somos brinquedos. E brinquedos não fazem mal a seus donos.
SOLDADO: - Isso é verdade. Mas ganharíamos tempo...
DUENDE: - O menino é esperto. Conseguirá chegar a tempo.
SOLDADO: - E se não consegui?
DUENDE: - Não vamos ser pessimistas. Já conseguimos um grande milagre. O menino está disposto a nos ajudar.
SOLDADO: - Isso é verdade. Se não fosse ele... Já estaríamos jogados naquele saco de lixo.
DUENDE: - Então, vamos esperar... Agora, precisamos voltar para o quarto... vai que a Carina resolva entrar.
SOLDADO: - Tem razão... Não podemos vacilar. Avante soldado! (Saem marchando)
CENA VII
(Bento encontra a casa do Velho Zimbá)
BENTO: - Oh, de casa?!
ZIMBA: - Quem é?
BENTO: - Oi?!
ZIMBA: - Oi... Entre meu jovem?!
BENTO: - Com licença.
ZIMBA: - Em que posso ajuda-lo meu jovem?
BENTO: - O senhor é... conserta brinquedos?
ZIMBA: - Sim. Conserto.
BENTO: - Posso lhe fazer uma pergunta?
ZIMBA: - Claro. Pergunte...
BENTO: - O senhor acredita...
ZIMBA: - Em que?
BENTO: - Que brinquedos tem vida...
ZIMBA: - Você acredita?
BENTO: - Não sei... Acho que estou ficando louco.
ZIMBA: - E por que?
BENTO: - Não sei... Acho que estou conversando com brinquedos.
ZIMBA: - Hi! Isso é super normal.
BENTO: - O senhor conversa com brinquedos?
ZIMBA: - Sempre. O tempo todo.
BENTO: - Estão me pedindo socorro...
ZIMBA: - Então você foi o escolhido. Tem uma missão.
BENTO: - Mas não sei como fazer...
ZIMBA: - Seu coração irá lhe guiar.
BENTO: - O senhor pode nos ajudar?
ZIMBA: - É por isso que estou aqui. Para ajudar a todos que precisam. Você faz o que lhe foi acreditado a você e eu farei o resto.
BENTO: - Então posso trazê-los aqui?
ZIMBA: - Não só pode como deve. Aguardarei você com esses brinquedos.
BENTO: - Então os trarei...
ZIMBA: - Serão bem vindos.
BENTO: - Então...
ZIMBA: - Até logo.
BENTO: - Até. (Sai)
ZIMBA: - Essa história só esta começando... (Sai)
CENA VIII
BONECA: - Nossa! O menino está demorando muito...
BAILARINA: - Será que conseguiu encontrar o velho Zimbá?
URSO: - Temos que ter fé.
SOLDADO: - O menino é um bravo guerreiro.
DUENDE: - E esperto!
PALHAÇO: - Espero que não demore muito...
BAILARINA: - afinal, o tempo está passando.
BONECA: - Vejam... É ele.
SOLDADO: - E ai bravo soldado? Conseguiu encontrar o velho Zimba?
DUENDE: - Hei, calma... Deixa ele respirar. Fala meu jovem e bom amigo.
BENTO: - Sim, encontrei.
BONECA: - E ai?
BENTO: - Vai nos ajudar. (Todos comemoram)
SOLDADO: - Agora só precisamos de um plano de fuga.
BENTO: - Tenho que arrumar um jeito de tirá-los daqui sem que a Carina perceba.
PALHAÇO: - Temos que pensar em algo.
BENTO: - Mas o que? Como?
URSO: - Acho que sei como...
BAILARINA: - Como?
URSO: - Vamos esperar que durma... E quando dormir... Saímos.
DUENDE: - É um bom plano. Quem está de acordo toca aqui. (Todos unem as mãos)
BENTO: - Vou dar uma desculpa para adiar o recolhimento de vocês para amanhã... Direi que são muitos e que não dará tempo. Vou lá fiquem aqui. (Sai. Os brinquedos comemoram cantando Música: É bom ter amigos)
CENA IX
CARINA: - Já juntou todos aqueles trecos?
BENTO: - É sobre isso que vim falar...
CARINA: - Há não! Não vai vim com outra novidade...
BENTO: - É que são tantos brinquedos... Que não vou conseguir arrumar tudo a tempo.
CARINA: - Se quer algo bem feito... Vai lá e faça.
BENTO: - Espere. Prometo que até amanhã a tarde eu dou conta do serviço.
CARINA: - Há! Então tá bom. Até amanhã. (Sai)
BENTO: - Pode deixar!
SOLDADO: - Então?
BENTO: - Tudo certo.
SOLDADO: - Como faremos?
BENTO: - Logo que escurecer... Iremos vê o velho Zimba.
SOLDADO: - Avisar a todos.
BENTO: - Vai nessa.
CENA X
SOLDADO: - Gente... É amanhã!
URSO: - Amanhã?
PALHAÇO: - Isso é maravilhoso.
DUENDE: - Não disse? Sabia que esse garoto iria nos ajudar.
BONECA: - Tenho medo...
BAILARINA: - Do que tem medo?
BONECA: - Sempre vivemos aqui. Não conhecemos outro lugar.
SOLDADO: - Taí uma boa chance de conhecemos outros lugares.
PALHAÇO: - Também, estaremos todos juntos.
(A boneca se afasta. Música: Alguém no céu)
BAILARINA: - Vamos... Temos que nos preparar. (saem)
CENA XI
BENTO: - Vamos... Venham... Por aqui. Cuidado, não façam barulho...
CARINA: - Mas o que é isso? (Todos brinquedos se jogam no chão)
BENTO: - Carina?!
CARINA: - Não! Quem sabe uma assombração!
BENTO: - É como se fosse!
CARINA: - Que?
BENTO: - Nada! Fedeu!
CARINA: - Quer me explicar o que estes brinquedos velhos estão fazendo jogados aqui fora?
BENTO: - É que estou juntando tudo... E como está com cheiro de mofo, pus um pouco aqui fora.
CARINA: - Não sei por que. Vão por lixo mesmo!
BENTO: - É por causa da minha renite.
CARINA: - Tá bom. Faz como quiser... Mas quero todos esses brinquedos no lixo, amanhã... (Sai)
BENTO: - Deixa comigo. (T) Já foi.
DUENDE: - Essa foi por pouco.
PALHAÇO: - É melhor não perdemos tempo.
BENTO: - Tem razão... Vamos!
BAILARINA: - Ah!
SOLDADO: - Que foi?
BAILARINA: - Não sei se posso.
BONECA: - Não vai desistir agora?
URSO: - Você não está sozinha nessa...
SOLDADO: - Estamos juntos nessa.
BENTO: - O velho Zimba é a única chance de salvá-los a um destino tão triste.
PALHAÇO: - Nós que só trouxemos alegrias, terminar assim... Na lata de lixo.
BENTO: - isso não vai acontecer. Vou ajuda-los. (Saem cantando)
CENA XII
BENTO: - É aqui.
DUENDE: - Nossa!
PALHAÇO: - Casa mais bonita.
BAILARINA: - Parece até uma casa de bonecas.
SOLDADO: - Deve ser muito criativo esse velho Zimba.
BONECA: - Será mesmo que ele vai conseguir nos consertar?
URSO: - Claro que vai. Ele é um médico de brinquedos.
BENTO: - Você vão gostar muito do velho Zimba. Tem um coração maravilhoso.
BAILARINA: - Não vejo a hora de conhecer esse velho Zimba.
BENTO: - Então, vamos entrar. (Bate palmas) Zimba... Zimbá...
ZIMBA: - Oh, meus queridos! Que bom que vieram... Entrem. Estava esperando por vocês.
BENTO: - Vamos... Entrem. Não tenham medo.
ZIMBA: - Podem ficar a vontade. Por que esta casa... (Canta a música: era uma casa) Conte-me seu problemas que prometo ajuda-los. (Pega uma caderneta e faz anotações)
SOLDADO: - Primeiro as damas.
BONECA: - Muito gentil de sua parte. Eu estou suja, e a minhas costuras estão se desfazendo, isso sem contar com meu vestido velho.
BAILARINA: - Eu era uma bailarina bonita, imponente... Minhas sapatilhas estão gastas, minha meia calça rasgada e minha saia de tule  já não me serve mais... Também gostaria de que me fizesse um belo penteado, igualzinho ao que eu tinha quando vim da loja.
ZIMBA: - Sei. E você meu nobre soldado.
SOLDADO: - Só gostaria que arrumasse a minha perna.
ZIMBA: - Que houve com sua perna meu bravo soldado?
SOLDADO: - Foi numa dessas brincadeiras de batalha. Meu dono me deixou cai... E ai nunca mais parei de mancar.
ZIMBA: - Entendi.
SOLDADO: - E você meu bom urso? Aposto que embalou belas noites ao lado de sua dona...
URSO: - Isso é verdade. Onde ia, minha dona me levava. Era tanto amor! Não me largava um só minuto. E quando ia dormir... Ficava abraçadinha comigo. E eu? Passava a noite velando seu sono... (Dança ao som da música ursinho pimpão)
ZIMBA: - É uma bela história de companheirismo. Pelo jeito, precisa que eu reponha seu olho esquerdo.
URSO: - Seria maravilhoso! Pode fazer isso?
ZIMBA: - Meu caro... Veio ao lugar certo.
PALHAÇO: - Será que o senhor teria...
ZIMBA: - Um nariz de palhaço.
PALHAÇO: - É tão visível né?
ZIMBA: - Tenho. Vários... Você poderá escolher o mais lhe agradar.
PALHAÇO: - Não sabe a alegria que estaria me devolvendo.
ZIMBA: - Me retribua dando alegria a outras pessoas. Afinal, está é a função do palhaço. Alegria! Alegrar os corações...
PALHAÇO: - É tudo que quero... (Canta)
ZIMBA: - Bravo!
PALHAÇO: - Muito obrigado.
ZIMBA: - E você meu caro Duende?
DUENDE: - Não preciso de mais nada. Sabe senhor Zimba, que eu precisava eu já consegui... Vê a esperança renascer. E vejo isso nos olhos de cada um desses meus amigos. Se o senhor puder realizar os sonhos destes que tanto estimo. Pra mim já é o suficiente,.
ZIMBA: - Então... Mãos a obra!
BENTO: - Só tem um problema.
ZIMBA: - Pra todo problema, há uma solução.
BENTO: - Temos que voltar antes do amanhecer.
ZIMBA: - Então, não podemos perder tempo. (Enquanto pega os objetos para consertar os brinquedos canta: aquarela) Estão prontos.
BENTO: - Vocês estão lindos! Novinhos em folha.
SOLDADO: - Eu já não manco mais!
BAILARINA: - Estou tão bonita que sinto até vontade de dançar!
BONECA: - Olha meu vestido? Minhas costuras... estou até emocionada. Mas não vou chorar, se não vou ficar encharcada...
URSO: - Eu... Tenho dois olhos!
BAILARINA: - Olha? Meu nariz... Sou um palhaço completo. (Canta: ai meu nariz)
DUENDE: - Agora é hora de voltar...
BONECA: - Será que a Carina vai gostar de nós?
BENTO: - Acho que não terá coragem de jogá-los fora. Estão maravilhosos.
DUENDE: - Senhor Zimba.
ZIMBA: - Pode me chamar de velho Zimba. É assim que todos me chamam.
DUENDE: - Muito obrigado.
SOLDADO: - Estamos muito agradecidos.
ZIMBA: - Não precisa agradecer. Basta fazer muitas outras crianças felizes.
BONECA: - Faremos. Pode ter certeza.
BENTO: - Vamos. Já é hora... Obrigado velho zimba.
ZIMBA: - Vão em paz! (Saem. Música: Trut plat zum)
(Apagam-se as luzes)
CENA XIII – FINAL
(Estão todos os brinquedos no quarto entra Carina)
CARINA: - Mas o que é isso? Minha bailarina... Ah, quantas músicas dançamos juntas?! (Música clássica) Foram momentos tão maravilhosos. Meu ursinho? Você... Meu fiel companheiro. E você? Minha boneca de pano. Maricota! Quantas brincadeiras de casinha... Boboca! Meu palhacinho predileto. Quantas cambalhotas... Será que ainda sabe dar cambalhotas? (Música instrumental de circo) Bravo! Olha? Recuperou o nariz. Uma bitoca! (Beija) Todos recuperados... Todos. Mas como? Como? Já sei. Ele... Bento. Bento? Bento...
BENTO: - Oi...
CARINA: - Como fez isso?
BENTO: - Gostou?
CARINA: - Você os recuperou.
BENTO: - Agora não precisa mais jogá-los no lixo.
CARINA: - Mas não brinco mais de brinquedo.
BENTO: - Então pode doá-los a quem precisa.
CARINA: - Doá-los?
BENTO: - Isso. Esses brinquedos poderá trazer felicidade a muitas crianças.
CARINA: - Você tem razão. São tão bonitos... Seria mesmo um desperdiço jogá-los fora.
BENTO: - Então posso doá-los?
CARINA: - Pode.
BENTO: - Não sabe o quanto fico feliz.
CARINA: - Permito. Desde que você entregue esses brinquedos na mão de crianças que cuidem deles, melhor que eu cuidei.
BENTO: - Esses brinquedos te amaram, tanto quanto você os amou.
CARINA: - Que faça outras crianças felizes tanto quanto eu fui feliz.
BENTO: - Não tenho dúvida.
CARINA: - Adeus... Minha bailarina, boneca, meu urso... Adeus! (Sai)
SOLDADO: - E agora? Ela não vai ficar com agente.
BENTO: - Mas vou leva-los para um lugar onde vocês serão bem recebidos.
BONECA: - Pra onde vai nos levar?
BENTO: - Irão todos para um orfanato.
URSO: - Orfanato?
BENTO: - Isso. Lá tem um monte de crianças esperando por vocês.
PALHAÇO: - Será que vão gostar de nós?
BENTO: - Não tenho dúvida. A menos que não queiram ser adotados por um monte de crianças que estão cheias de amor pra dar, e o que é melhor esperando por vocês.
SOLDADOS: - Bravos companheiro... Não perderemos mais tempo!
DUENDE : - O futuro nos espera!
(Cantam a música: As crianças e os animais)
F I M

3 comentários:

  1. Vou fazer essa peça de Teatro na minha Escola!!

    ResponderExcluir
  2. vc ja fez? se fes pode me falar quanto tempo durou sua peça? muito o brigada

    ResponderExcluir
  3. Paarbens pelos textos excelentes!! sou atriz.. epermitido montar?abraço

    ResponderExcluir

Obrigado! Sua opinião é muito importante.

fevereiro 08, 2013

CAIXA DE BRINQUEDOS (TEATRO INFANTIL)

3 comentários

CAIXA DE BRINQUEDOS
De: Marcondys França
PERSONAGENS:
BONECA DE PANO
SOLDADO
URSO DE PELÚCIA
PALHAÇO
BALHARINA
DUENDE
BENTO (MENINO POBRE QUE NUNCA TEVE UM BRINQUEDO)
CARINA (MENINAS ESNOBE DONA DOS BRIQUEDOS)
VELHO ZIMBÁ (ARTESÃO QUE TEM UMA OFICINA QUE CONSERTA BRINQUEDOS)
CENA I
(NUM COMODO DA CASA HÁ UMA CAIXA CHEIA DE BRINQUEDOS QUEBRADOS E AO SEU REDOR OUTROS QUE COMO NUM PASSE DE MÁGICA GANHAM VIDA)
CARINA: - Pode entrar.
BENTO: - Então é aqui?
CARINA: - Sim. É aqui mesmo.
BENTO: - Nossa! Quantos brinquedos!
CARINA: - Não disse que era bastante!?
BENTO: - Tem certeza que quer mesmo jogá-los fora?
CARINA: - Claro. De que me servem esses brinquedos velhos?
BENTO: - Cada brinquedo desse deve ter uma história.
CARINA: - Que já passou. Agora estão velhos, não me servem mais.
BENTO: - Nunca tive um brinquedo.
CARINA: - Se quiser pode ficar pra você.
BENTO: - Não. São seus. Deveria amá-los.
CARINA: - São um bando de sucatas.
BENTO: - Se tivesse cuidado melhor...
CARINA: - Hei, você veio aqui pra me criticar?
BENTO: - Não. Me desculpe. Meu trabalho será recolher estes brinquedos.
CARINA: - Tá vendo aquela boneca? Foi minha preferida, era uma linda bailarina.
BENTO: - Só está um pouco descuidada.
CARINA: - Velha! Essa ali... É a Maricota, uma boneca de pano, presente da minha avó.
BENTO: - Não tem nenhum valor sentimental?
CARINA: - Impossível! Está velha e fede a mofo.
BENTO: - E esse soldado?
CARINA: - Foi do meu irmão...
BENTO: - É um bravo soldado.
CARINA: - Que nada! Só tá ocupando lugar.
BENTO: - Então você que jogar todos esses brinquedos fora?
CARINA: - Exatamente.
BENTO: - Então tá. Onde tem sacos?
CARINA: - Vem... Vou pegar pra você. (Saem)
CENA II
(Os brinquedos despertam)
BONECA: - E agora? Que vamos fazer?
SOLDADO: - Temos que criar um plano para escapar...
BALHARINA: - Mas como?
URSO: - Temos como sair deste quarto.
PALHAÇO: - Tem que haver um jeito.
BONECA: - Não podemos terminar assim.
BALHARINA: - Isso não é justo.
URSO: - É o fim de todos nós brinquedos.
PALHAÇO: - Nós brinquedos trazemos tantas alegrias para as crianças... E no final? Que fazem com agente? Nos joga fora.
SOLDADO: - Temos uma chance de não ir parar no lixo...
URSO: - Qual?
BALHARINA: - Que jeito?
BONECA: - Não temos chance.
SOLDADO: - Quem disse que não? Ele é só um garotinho...
URSO: - Mas é mais forte que agente.
SOLDADO: - Mas somos mais espertos que ele. (O Duende sai de dentro da caixa) Alto lá (Puxa a espada)
DUENDE: - Alto lá! Guarde sua espada bravo soldado. Não sou seu inimigo. Muito pelo contrário. Sou amigo e estamos no mesmo barco, ou melhor no mesmo quarto.
SOLDADO: - Então sabe o que pretende fazer conosco.
DUENDE: - Sei. Mas será que vocês perceberam que aquele menino tem um bom coração;
BONECA: - Mais vai fazer o que a nossa ex dona pediu.
DUENDE: - Não se agente o convencer do contrário.
URSO: - E como faremos isso?
PALHAÇO: - Mostrando a ele nossas qualidades.
DUENDE: - Tem razão... Só assim podemos convencê-lo a nos levar para oficina do velho Zimba.
BONECA: - E quem é esse velho Zimba?
DUENDE: - É um homem muito especial.
BALHARINA: - E porque esse velho Zimba é tão especial?
DUENDE: - Por que ele tem as mãos mágicas.
URSO: - Mãos mágicas?
PALHAÇO: - É um ilusionista?
DUENDE: - Não. É um grande artesão...
SOLDADO: - E o que faz de tão especial esse artesão?
DUENDE: - Conserta brinquedos.
BALHARINA: - Então... Ele poderá me dar uma saia nova?
BONECA: - Me costurar.
URSO: - Repor o olho que me falta...
SOLDADO: - Consertar minha perna... E eu deixarei de mancar.
PALHAÇO: - Repor meu nariz de palhaço! E assim devolver a minha alegria de viver...
DUENDE: - Exatamente. Só temos que conquistar a confiança do garoto. E assim, ele nos levará até o velho Zimba ao invés de nos jogar no lixo.
SOLDADO: - Ai vem gente! Rápido...  Voltem pro seus lugares. (Todos retornam)
CENA III
(Entra Bento com alguns sacos de lixo, acompanhado de Carina)
CARINA: - Então já sabe... Junte todos esses brinquedos nestes sacos.
BENTO: - Tem certeza que quer mesmo jogá-los fora?
CARINA: - Não tenho dúvida. Pra vou querer estes brinquedos velhos e inúteis?
BENTO: - Tantas crianças gostariam de ter brinquedos como estes.
CARINA: - Mas não dou. Quero jogá-los fora.
BENTO: - Por que não doar?
CARINA: - Por que não quero. Olha o caro de lixo passa as quatro horas. Acho bom se apressar.
BENTO: - Você não brinca mais com brinquedos?
CARINA: - Pra que? Que graça tem? Hoje brinco com meu celular, meu notebook, Xbox... Não preciso destes brinquedos velhos e sem graça. Bom, agora tenho que ir pra minha aula de inglês. Bye! (Sai)
BENTO: - Há! Que pena! Não sabe o que está perdendo... Olha quanto brinquedo legal... (Duende pisca para o garoto) Ah! (Se assusta) Hei, você piscou pra mim? (O palhaço dar um cambalhota, a bailarina dança) O que está acontecendo aqui?
BONECA: - Não se assuste.
BENTO: - Você... Esta falando!
URSO: - Precisamos da sua ajuda.
BENTO: - Não. Isso pode ser fruto da minha imaginação.
PALHAÇO: - Não é...
BENTO: - Só posso esta ficando maluco.
DUENDE: - Você é tão bom que consegue enxergar com os olhos do coração.
BENTO: - Não... Isso não está acontecendo.
BALHARINA: - Sim está.
BONECA: - Por favor nos ajude.
BENTO: - Mas como?
URSO: - Não nos jogando lixo.
BENTO: - Mas a sua dona não os que mais.
BALHARINA: - Não desse jeito. Se voltarmos a ser como erámos antes...
BONECA: - Não nos jogará fora.
BENTO: - Sinto muito... Não posso ajuda-los.
(A boneca e o soldado cantam. Música do trem da alegria: A boneca e o soldadinho)
BONECA: - Por favor... Nos ajude.
SOLDADO: - Só você pode nos ajudar.
DUENDE: - Basta que nos leve a oficina de brinquedos do velho Zimba.
BENTO: - Que é o velho Zimba?
DUENDE: - É um médico de brinquedos.
BENTO: - Médico de brinquedos?
PALHAÇO: - Dizem que com suas mãos mágicas restaura qualquer brinquedo.
BENTO: - Se podem falar comigo... Também podem falar com a Carina.
URSO: - Não. Seu coração já não é tão puro... Não conseguirá nos enxergar como somos...
PALHAÇO: - Apenas nos verá como um monte de brinquedos velhos e inúteis.
BENTO: - É uma pena...
BONECA: - Antes tinha imaginação. Hoje só enxerga a realidade. Ainda me lembro... Quando brincava comigo... E cantávamos assim... (Canta a música Emília a boneca gente)
BENTO: - Bravo! Além de cantar você dança muito bem.
BONECA: - Obrigada!
PALHAÇO: - E eu? Que a fazia sorrir... Com minhas cambalhotas engraçadas! (Música cambalhotas dos salte bancos)
BENTO: - Muito bom!
PALHAÇO: - Pena que me falta o nariz.
BENTO: - E você?
URSO: - Eu?
BENTO: - Que sabe fazer?
URSO: - Fui um companheiro inseparável. Sempre que precisava de uma companhia pra dormir... Lá estava eu.
DUENDE: - Vê? Você é a nossa única solução... Precisamos de você garoto.
BENTO: - Tá bom... Vou ajuda-los. Você tem o endereço desse senhor?
DUENDE: - Não... Mais não deve ser difícil de encontrar. Não deve ter muitos hospitais de brinquedo na cidade.
BENTO: - Vou tentar. Mas tenho que fazer a Carina acreditar que estou juntando todo esse brinquedo no saco...
URSO: - Claro! Tem razão.
PALHAÇO: - Vamos... Ajude-o.
BENTO: - Eu volto!
BONECA: - Ah! Ganhamos mais um amigo. (Cantam a música do balão mágico: Você e eu)
CENA IV
(Saem todos ficando apenas no palco a bailarina e o palhaço)
PALHAÇO: - Que foi? Não está feliz?
BALHARINA: - Já fui tão bonita...
PALHAÇO: - Você ainda é bonita.
BALHARINA: - Gentileza sua. Me lembro quando dançava para minha dona. Eu era linda bem vestida e graciosa.
PALHAÇO: - Linda e graciosa ainda é... Será que poderia dançar pra mim?
BALHARINA: - Eu? Dançar?
PALHAÇO: - Seria uma honra vê-la dançar. Por favor...
BALHARINA: - Sendo assim... Eu danço.
PALHAÇO: - Bravo!
(Toca uma música clássica e ela dança)
PALHAÇO: - Bravo! Demais! Maravilhoso.
BALHARINA: - Estou meio enferrujada.
PALHAÇO: - Imagina! Perfeita.
BALHARINA: - Vamos, estão nos esperando. (Saem)
CENA V
CARINA: - Já terminou?
BENTO: - Quase.
CARINA: - Quase?
BENTO: - É que são muitos brinquedos.
CARINA: - Então que está fazendo aqui?
BENTO: - É que eu preciso dar uma saída.
CARINA: - Você vai sair?
BENTO: - É rapidinho... Volto logo.
CARINA: - Acho bom.
BENTO: - Vou num pé é volto noutro! (Sai)
CARINA: - Só o que me faltava... (Sai)
CENA VI

SOLDADO: - Poderíamos amarrar a Carina...
DUENDE: - Não bravo soldado. Não esqueça que somos brinquedos. E brinquedos não fazem mal a seus donos.
SOLDADO: - Isso é verdade. Mas ganharíamos tempo...
DUENDE: - O menino é esperto. Conseguirá chegar a tempo.
SOLDADO: - E se não consegui?
DUENDE: - Não vamos ser pessimistas. Já conseguimos um grande milagre. O menino está disposto a nos ajudar.
SOLDADO: - Isso é verdade. Se não fosse ele... Já estaríamos jogados naquele saco de lixo.
DUENDE: - Então, vamos esperar... Agora, precisamos voltar para o quarto... vai que a Carina resolva entrar.
SOLDADO: - Tem razão... Não podemos vacilar. Avante soldado! (Saem marchando)
CENA VII
(Bento encontra a casa do Velho Zimbá)
BENTO: - Oh, de casa?!
ZIMBA: - Quem é?
BENTO: - Oi?!
ZIMBA: - Oi... Entre meu jovem?!
BENTO: - Com licença.
ZIMBA: - Em que posso ajuda-lo meu jovem?
BENTO: - O senhor é... conserta brinquedos?
ZIMBA: - Sim. Conserto.
BENTO: - Posso lhe fazer uma pergunta?
ZIMBA: - Claro. Pergunte...
BENTO: - O senhor acredita...
ZIMBA: - Em que?
BENTO: - Que brinquedos tem vida...
ZIMBA: - Você acredita?
BENTO: - Não sei... Acho que estou ficando louco.
ZIMBA: - E por que?
BENTO: - Não sei... Acho que estou conversando com brinquedos.
ZIMBA: - Hi! Isso é super normal.
BENTO: - O senhor conversa com brinquedos?
ZIMBA: - Sempre. O tempo todo.
BENTO: - Estão me pedindo socorro...
ZIMBA: - Então você foi o escolhido. Tem uma missão.
BENTO: - Mas não sei como fazer...
ZIMBA: - Seu coração irá lhe guiar.
BENTO: - O senhor pode nos ajudar?
ZIMBA: - É por isso que estou aqui. Para ajudar a todos que precisam. Você faz o que lhe foi acreditado a você e eu farei o resto.
BENTO: - Então posso trazê-los aqui?
ZIMBA: - Não só pode como deve. Aguardarei você com esses brinquedos.
BENTO: - Então os trarei...
ZIMBA: - Serão bem vindos.
BENTO: - Então...
ZIMBA: - Até logo.
BENTO: - Até. (Sai)
ZIMBA: - Essa história só esta começando... (Sai)
CENA VIII
BONECA: - Nossa! O menino está demorando muito...
BAILARINA: - Será que conseguiu encontrar o velho Zimbá?
URSO: - Temos que ter fé.
SOLDADO: - O menino é um bravo guerreiro.
DUENDE: - E esperto!
PALHAÇO: - Espero que não demore muito...
BAILARINA: - afinal, o tempo está passando.
BONECA: - Vejam... É ele.
SOLDADO: - E ai bravo soldado? Conseguiu encontrar o velho Zimba?
DUENDE: - Hei, calma... Deixa ele respirar. Fala meu jovem e bom amigo.
BENTO: - Sim, encontrei.
BONECA: - E ai?
BENTO: - Vai nos ajudar. (Todos comemoram)
SOLDADO: - Agora só precisamos de um plano de fuga.
BENTO: - Tenho que arrumar um jeito de tirá-los daqui sem que a Carina perceba.
PALHAÇO: - Temos que pensar em algo.
BENTO: - Mas o que? Como?
URSO: - Acho que sei como...
BAILARINA: - Como?
URSO: - Vamos esperar que durma... E quando dormir... Saímos.
DUENDE: - É um bom plano. Quem está de acordo toca aqui. (Todos unem as mãos)
BENTO: - Vou dar uma desculpa para adiar o recolhimento de vocês para amanhã... Direi que são muitos e que não dará tempo. Vou lá fiquem aqui. (Sai. Os brinquedos comemoram cantando Música: É bom ter amigos)
CENA IX
CARINA: - Já juntou todos aqueles trecos?
BENTO: - É sobre isso que vim falar...
CARINA: - Há não! Não vai vim com outra novidade...
BENTO: - É que são tantos brinquedos... Que não vou conseguir arrumar tudo a tempo.
CARINA: - Se quer algo bem feito... Vai lá e faça.
BENTO: - Espere. Prometo que até amanhã a tarde eu dou conta do serviço.
CARINA: - Há! Então tá bom. Até amanhã. (Sai)
BENTO: - Pode deixar!
SOLDADO: - Então?
BENTO: - Tudo certo.
SOLDADO: - Como faremos?
BENTO: - Logo que escurecer... Iremos vê o velho Zimba.
SOLDADO: - Avisar a todos.
BENTO: - Vai nessa.
CENA X
SOLDADO: - Gente... É amanhã!
URSO: - Amanhã?
PALHAÇO: - Isso é maravilhoso.
DUENDE: - Não disse? Sabia que esse garoto iria nos ajudar.
BONECA: - Tenho medo...
BAILARINA: - Do que tem medo?
BONECA: - Sempre vivemos aqui. Não conhecemos outro lugar.
SOLDADO: - Taí uma boa chance de conhecemos outros lugares.
PALHAÇO: - Também, estaremos todos juntos.
(A boneca se afasta. Música: Alguém no céu)
BAILARINA: - Vamos... Temos que nos preparar. (saem)
CENA XI
BENTO: - Vamos... Venham... Por aqui. Cuidado, não façam barulho...
CARINA: - Mas o que é isso? (Todos brinquedos se jogam no chão)
BENTO: - Carina?!
CARINA: - Não! Quem sabe uma assombração!
BENTO: - É como se fosse!
CARINA: - Que?
BENTO: - Nada! Fedeu!
CARINA: - Quer me explicar o que estes brinquedos velhos estão fazendo jogados aqui fora?
BENTO: - É que estou juntando tudo... E como está com cheiro de mofo, pus um pouco aqui fora.
CARINA: - Não sei por que. Vão por lixo mesmo!
BENTO: - É por causa da minha renite.
CARINA: - Tá bom. Faz como quiser... Mas quero todos esses brinquedos no lixo, amanhã... (Sai)
BENTO: - Deixa comigo. (T) Já foi.
DUENDE: - Essa foi por pouco.
PALHAÇO: - É melhor não perdemos tempo.
BENTO: - Tem razão... Vamos!
BAILARINA: - Ah!
SOLDADO: - Que foi?
BAILARINA: - Não sei se posso.
BONECA: - Não vai desistir agora?
URSO: - Você não está sozinha nessa...
SOLDADO: - Estamos juntos nessa.
BENTO: - O velho Zimba é a única chance de salvá-los a um destino tão triste.
PALHAÇO: - Nós que só trouxemos alegrias, terminar assim... Na lata de lixo.
BENTO: - isso não vai acontecer. Vou ajuda-los. (Saem cantando)
CENA XII
BENTO: - É aqui.
DUENDE: - Nossa!
PALHAÇO: - Casa mais bonita.
BAILARINA: - Parece até uma casa de bonecas.
SOLDADO: - Deve ser muito criativo esse velho Zimba.
BONECA: - Será mesmo que ele vai conseguir nos consertar?
URSO: - Claro que vai. Ele é um médico de brinquedos.
BENTO: - Você vão gostar muito do velho Zimba. Tem um coração maravilhoso.
BAILARINA: - Não vejo a hora de conhecer esse velho Zimba.
BENTO: - Então, vamos entrar. (Bate palmas) Zimba... Zimbá...
ZIMBA: - Oh, meus queridos! Que bom que vieram... Entrem. Estava esperando por vocês.
BENTO: - Vamos... Entrem. Não tenham medo.
ZIMBA: - Podem ficar a vontade. Por que esta casa... (Canta a música: era uma casa) Conte-me seu problemas que prometo ajuda-los. (Pega uma caderneta e faz anotações)
SOLDADO: - Primeiro as damas.
BONECA: - Muito gentil de sua parte. Eu estou suja, e a minhas costuras estão se desfazendo, isso sem contar com meu vestido velho.
BAILARINA: - Eu era uma bailarina bonita, imponente... Minhas sapatilhas estão gastas, minha meia calça rasgada e minha saia de tule  já não me serve mais... Também gostaria de que me fizesse um belo penteado, igualzinho ao que eu tinha quando vim da loja.
ZIMBA: - Sei. E você meu nobre soldado.
SOLDADO: - Só gostaria que arrumasse a minha perna.
ZIMBA: - Que houve com sua perna meu bravo soldado?
SOLDADO: - Foi numa dessas brincadeiras de batalha. Meu dono me deixou cai... E ai nunca mais parei de mancar.
ZIMBA: - Entendi.
SOLDADO: - E você meu bom urso? Aposto que embalou belas noites ao lado de sua dona...
URSO: - Isso é verdade. Onde ia, minha dona me levava. Era tanto amor! Não me largava um só minuto. E quando ia dormir... Ficava abraçadinha comigo. E eu? Passava a noite velando seu sono... (Dança ao som da música ursinho pimpão)
ZIMBA: - É uma bela história de companheirismo. Pelo jeito, precisa que eu reponha seu olho esquerdo.
URSO: - Seria maravilhoso! Pode fazer isso?
ZIMBA: - Meu caro... Veio ao lugar certo.
PALHAÇO: - Será que o senhor teria...
ZIMBA: - Um nariz de palhaço.
PALHAÇO: - É tão visível né?
ZIMBA: - Tenho. Vários... Você poderá escolher o mais lhe agradar.
PALHAÇO: - Não sabe a alegria que estaria me devolvendo.
ZIMBA: - Me retribua dando alegria a outras pessoas. Afinal, está é a função do palhaço. Alegria! Alegrar os corações...
PALHAÇO: - É tudo que quero... (Canta)
ZIMBA: - Bravo!
PALHAÇO: - Muito obrigado.
ZIMBA: - E você meu caro Duende?
DUENDE: - Não preciso de mais nada. Sabe senhor Zimba, que eu precisava eu já consegui... Vê a esperança renascer. E vejo isso nos olhos de cada um desses meus amigos. Se o senhor puder realizar os sonhos destes que tanto estimo. Pra mim já é o suficiente,.
ZIMBA: - Então... Mãos a obra!
BENTO: - Só tem um problema.
ZIMBA: - Pra todo problema, há uma solução.
BENTO: - Temos que voltar antes do amanhecer.
ZIMBA: - Então, não podemos perder tempo. (Enquanto pega os objetos para consertar os brinquedos canta: aquarela) Estão prontos.
BENTO: - Vocês estão lindos! Novinhos em folha.
SOLDADO: - Eu já não manco mais!
BAILARINA: - Estou tão bonita que sinto até vontade de dançar!
BONECA: - Olha meu vestido? Minhas costuras... estou até emocionada. Mas não vou chorar, se não vou ficar encharcada...
URSO: - Eu... Tenho dois olhos!
BAILARINA: - Olha? Meu nariz... Sou um palhaço completo. (Canta: ai meu nariz)
DUENDE: - Agora é hora de voltar...
BONECA: - Será que a Carina vai gostar de nós?
BENTO: - Acho que não terá coragem de jogá-los fora. Estão maravilhosos.
DUENDE: - Senhor Zimba.
ZIMBA: - Pode me chamar de velho Zimba. É assim que todos me chamam.
DUENDE: - Muito obrigado.
SOLDADO: - Estamos muito agradecidos.
ZIMBA: - Não precisa agradecer. Basta fazer muitas outras crianças felizes.
BONECA: - Faremos. Pode ter certeza.
BENTO: - Vamos. Já é hora... Obrigado velho zimba.
ZIMBA: - Vão em paz! (Saem. Música: Trut plat zum)
(Apagam-se as luzes)
CENA XIII – FINAL
(Estão todos os brinquedos no quarto entra Carina)
CARINA: - Mas o que é isso? Minha bailarina... Ah, quantas músicas dançamos juntas?! (Música clássica) Foram momentos tão maravilhosos. Meu ursinho? Você... Meu fiel companheiro. E você? Minha boneca de pano. Maricota! Quantas brincadeiras de casinha... Boboca! Meu palhacinho predileto. Quantas cambalhotas... Será que ainda sabe dar cambalhotas? (Música instrumental de circo) Bravo! Olha? Recuperou o nariz. Uma bitoca! (Beija) Todos recuperados... Todos. Mas como? Como? Já sei. Ele... Bento. Bento? Bento...
BENTO: - Oi...
CARINA: - Como fez isso?
BENTO: - Gostou?
CARINA: - Você os recuperou.
BENTO: - Agora não precisa mais jogá-los no lixo.
CARINA: - Mas não brinco mais de brinquedo.
BENTO: - Então pode doá-los a quem precisa.
CARINA: - Doá-los?
BENTO: - Isso. Esses brinquedos poderá trazer felicidade a muitas crianças.
CARINA: - Você tem razão. São tão bonitos... Seria mesmo um desperdiço jogá-los fora.
BENTO: - Então posso doá-los?
CARINA: - Pode.
BENTO: - Não sabe o quanto fico feliz.
CARINA: - Permito. Desde que você entregue esses brinquedos na mão de crianças que cuidem deles, melhor que eu cuidei.
BENTO: - Esses brinquedos te amaram, tanto quanto você os amou.
CARINA: - Que faça outras crianças felizes tanto quanto eu fui feliz.
BENTO: - Não tenho dúvida.
CARINA: - Adeus... Minha bailarina, boneca, meu urso... Adeus! (Sai)
SOLDADO: - E agora? Ela não vai ficar com agente.
BENTO: - Mas vou leva-los para um lugar onde vocês serão bem recebidos.
BONECA: - Pra onde vai nos levar?
BENTO: - Irão todos para um orfanato.
URSO: - Orfanato?
BENTO: - Isso. Lá tem um monte de crianças esperando por vocês.
PALHAÇO: - Será que vão gostar de nós?
BENTO: - Não tenho dúvida. A menos que não queiram ser adotados por um monte de crianças que estão cheias de amor pra dar, e o que é melhor esperando por vocês.
SOLDADOS: - Bravos companheiro... Não perderemos mais tempo!
DUENDE : - O futuro nos espera!
(Cantam a música: As crianças e os animais)
F I M

3 comentários On "CAIXA DE BRINQUEDOS (TEATRO INFANTIL)"

  1. Vou fazer essa peça de Teatro na minha Escola!!

    ResponderExcluir
  2. vc ja fez? se fes pode me falar quanto tempo durou sua peça? muito o brigada

    ResponderExcluir
  3. Paarbens pelos textos excelentes!! sou atriz.. epermitido montar?abraço

    ResponderExcluir

Obrigado! Sua opinião é muito importante.

PESQUISE NESTE BLOG:

Carregando...
Marcondys França. Tecnologia do Blogger.

About Me

Minha foto
Sou o que sou, não o que esperam de mim... Se esperam é por que não me aceitam como sou. Se não me aceitam não há razão para que eu seja.

Labels

1º maio 2014 24 anos a encalhada A Grande Viagem A Mulher do Prefeito a paixão de cristo a pilula falante achado africa AGOSTO 2011 agradecimento ah AIDS album de fotos album de fotos 2013 alexa algo em comum algum de fotos AMOR amor a vida amor em preto e branco aniversario aniversário ano novo ANOS VINTE anália aparecida apoteose aprendizado apresentação arte ARTESANATO artigo arvore arvore de natal ato 2 ATO 4 ATO I ATO I CENA I E II ATO II ATO II - CENA II ATO II -CENA III ATO II CENA X e XII) ATO II – CENA VIII e IX ATO III ato III cena VIII à XII Ato III cena xII ATO IV Cena X e XI) ATO IV-Cenas XII a XIII AtoII - Cena VIII) AtoII-Cena VII ATORES.FIGURANTES atriz atuação AULA 1 AULA 2 AULA 3 aulas autor teatral autorização avalon BABA BABY bailarina bala perdida balharina balão balões banco do brasil bandeirantes Barne bastidores BETH E LOW BIANCA GOMES bibliografia biblioteca Bienal 2010 bilhete book bordado BRINCADEIRA BRINCADEIRAS brincar BRINQUEDOTECA bruxas Budismo bullying cachorro caipira caixa de brinquedos calada calando do agreste calango do agreste CALENDARIO CALENDÁRIO camila gomes campanha candomblé canto capa de revista carater carimbó carnaval carreira carreira. carrocel carta cartaz CARTINHAS cartão casamento cauê CCA cca são benedito cego cegos cena 1 cena 2 cena 3 cena 4 cena 5 cena 6 cena 7 cena 8 cena 9 Cena III Cena IV cena mentingos CENA V CENA XI cenografia centro cultural cenários chaiévelin CHAPLIM chiquititas cia gambiarra cultural cibenética CICATRIZES cinema circo circo mambembe circo teatro circoteatro CITAÇÃO CLOWN colação de grau coleta seletiva comemoração comercial comédia comédia e tragédia concerto concurso confraternização conscientização construção da personagem contação de história CONTO CONTOS convite copacabana cor coral CORAÇÃO DELACERADO CORRENTES RELIGIOSAS cpca cpca são benedito criatividade CRISTIANISMO cristo cronograma crueldade cuca culto cultura jovem curriculo artístico curta curumim câmera escondida cão DANÇA datas comemorativas de volta pra casa defesa animal defesa dos animais deficiência visual Denise Fraga depoimento desejo desenho desfile despedida deuses gregos DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA dia das mães Dia do Trabalho DIA DOS PAIS dia dos professores DICIONÁRIO DO TEATRO didática direito direito de viver discriminação diversidade dogma DOI DONA FANTASMA drama drama. DRAMATIZAÇÃO dramaturgia drogas DUBLAGEM Durkheim eatro ecologia educadora educadores educar educação educação ambiental educação infantil ele é o cara ELEIÇÃO elenco eles seguiram a estrela em busca do caminho em nome do pai emef armando arruda pereira emili emprego emília encahadas enchente encontrado energia ensaio ensaio sobre dramaturgia entrando numa fria entrevista enxurrada Episódio 1: A DESCONFIANÇA equipe escola escrita esculturas ESSE CORPO MORENO ESTAGIO EM GESTÃO estagio supervisionado estreia estréia ESTUDO ESTUDO SOBRE RELIGIÃO ESTÁGIO ewerton ex aluno exposição expressão corporal fabula família fantama fantaminha fantasia FANTASMA FANTASMINHA faustão ferias ferrados festa festa da primavera festa da primavera 2011 festa das nações festa junina fica comigo figurinos filme FILME CALANGO DO AGRESTE filmes filosofia fim de ano FINAL) folia folia do coração formando Formatura formação acadêmica forte forte de copacabana fotonovela fotos fotos frases FOTOS TEATRO frases prontas frases prontas.fotos frases funcionários furto fuzuê férias GALERIA DE FOTO galeria de fotos GATA gato globo graese gravação grupo temporá halloween HINDUÍSMO historia história história de vida homem do campo homenagem humor igualdade IMAGINAÇÃO inclusão indio infantil informativo infância instrumento interdisciplinar ipanema Islamismo islã itau itaú cultural jabaquara jardim botânico jesus jovem jr JUDAÍMO JULIANO CAZARRÉ JULIETA juntos jura que me ama juvenil lei Lei regula os direitos autorais leila monteiro LEMBRO-ME leme LENDA lingua lixo LIÇÃO DE VIDA LIÇÃO DE VIDA (CENA III E IV) LIÇÃO DE VIDA (CENA IX E X) LIÇÃO DE VIDA (CENA V E VI) LIÇÃO DE VIDA (CENA VII E VIII) LIÇÃO DE VIDA (CENA XIV E XV) LIÇÃO DE VIDA CENA FINAL lobato Louis Braille lugar de lixo é no lixo lágrimas LÚCIA PABLO maldito maquiagem marcas do que se foi marcondys marcondys frança maria clara machado MARIBEL MARINHEIROS mateus MATEUS SOLANO me ame ME TROCAS MENINO DE RUA meninos de rua mestres meu nego meu pai MEU PÉS mimi mito.fé mitologia MITOLOGIA GREGA-ROMANA MODELOS momento monologo MONTAGEM monteiro moral morte mosaico mostra museu do circo museu do futebol museu do gás muçulmana mãe MÃE EMPRE MÃE 2008 MÃE EMPRE MÃE 2009 mãe sempre mãe música narizinho nastácia NATAL natureza nazareno NEGO.POESIA negro nelson rodrigues NOITE noites frias de inverno notícia novela não não amaras Não Chores Palhaço‏‏ não me abandones NÃO SE VÁ números circo o anel magico o anel mágico O BRINCAR o corpo o corpo ato IV cena I a V o corpo ato IV cena VI a IX o desejo O Jovem e as Drogas" o pequeno engraxate o principe e a s plebeia o rapto do papai noel o verdadeiro sentido do natal observação oficina oficina de teatro oficineiros operação planeta orientação orquesta OUTUBRO 2011 pai pais paixão palestra palhaço PALHAÇOS PAOLA OLIVEIRA papai noel Paraolimpíadas Paraty-Rio de Janeiro paraíso participação Participação no Programa Legendários pascoa passeio Peca teatral PECADO PEDAGOGICO pedrinho PEDRO & BIANCA pegadinha PENSAMENTOS perdido PERDÃO perfil do docente PERNA DE PAU personagens pesquisa peça peça de teatro peça infantil peças Piaget pintura PIRAMO E TISBE pluft plástica poema poema poesia poemas poesia POESIAS POLITEÍSTA polivalente POR QUE AGE ASSIM? PORTIFÓRIO portuguesa PREPARAÇÃO DE ATORES PREPARAÇÃO DE ELENCO presentes PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PREVENÇÃO primavera primavera 2011 primeiro ato princesas professores PROGRAMA DO GUGU programa do ratinho PROGRAMA SILVIO SANTOS projeto projeto lê propaganda proposta psicologia páscoa pânico pânico na band pão de açuca pós graduação quadrilha quadrinhos qualidade quem sou RACISMO radesco rainha rainha do carnaval 2012 rapto rato reciclagem recompensa RECORD rede globo reflexão regina duarte REGISTRO EM ESTÁGIO EM ONG registros rei relatorio final religião RELIGIÕES POLITEÍSTA restropectiva RESUMO RETROSPECTIVA 2013 rio de janeiro ROBERTA FRANÇA Rodriguianas: Tragédias para Rir ROMEU ROMEU E JULIETA ronald roupa dp imperador réveillon saci salgueirotexto salvador sao benedito sara saudade sbt SE SE FOR ME AMAR segundo ato seleção selção senhoras sequência ser criança serie serra negra - sp SERÁ sesi SETE MINUTOS setembro setembro 2011 sexo sexualidade Shakespeare SHEKESPEARE silencio silvio santos SINHA ANINHA sinhaninha sinopse sitio sociologia soldadinho sonho de verão SONHOS DE UMA NOITE DE VERÃO sophia sorrir e cantar é só começar SUAS CRISES sujeito oculto susana vieira SUZANA VIEIRA são joão são paulo Série sétima arte símbolos sítio também sou teu filho teareo tearo teatro teatro peça circo TEATRO DO SESI TEATRO GREGO teatro infantil teatro.direito teatro.peça teatrólogo gregos televisão temporada 2013 tentativa teste texto Texto de Teatro Texto Teatro texto.teatro.peça trabalho TRAGÉDIA trilha sonora trio eletrico turma tv TV CULTURA tv globo Tv Record uberlandia um filho de coração UM SIMPLES ANÔNIMO VAMOS BRINCAR DE QUE? velhice VERONA viagem vida video violencia violencia sexual violência visconde viver vivi sonhando William XAMANISMO XII E XIII Ágatha árvore é tudo mentira ética Índia